lunes, abril 17, 2006

Judas redivivo e desagravado

Fonte: http://www.teologiabrasileira.com.br/Materia.asp?MateriaID=275


Autor: Augustus Nicodemus

Judas redivivo e desagravado



Tratado como "descoberta" arqueológica, o "evangelho" que apresenta
Judas como amigo de Jesus não merece o estardalhaço


10-04-2006 Cumprindo o ritual que acontece todos os anos na época da
Páscoa, a grande mídia acaba de veicular mais uma matéria bombástica
diretamente relacionada com o Cristianismo. Trata-se da tradução de um
manuscrito copta do século IV que supostamente conteria uma tradução
do evangelho apócrifo grego de Judas, cuja origem é estimada em meados
do século II. A restauração e a tradução do manuscrito copta foram
anunciadas nessa quinta-feira, 6 de abril, pela National Geographic
Society em Washington.

A veiculação pela mídia vai na mesma linha de propaganda e
especulações anticristãs voltadas mais diretamente contra a Igreja
Católica Romana e que acaba respingando nos protestantes,
especialmente nas igrejas históricas. O ano passado foi o Evangelho de
Tomé. Uma suposta sepultura de Jesus, uma inscrição antiga contendo o
nome de Tiago, irmão de Jesus, e outras "descobertas" arqueológicas,
fizeram a festa da mídia em anos mais recentes.

Ninguém deve se assustar pensando que essa atitude é um fenômeno
atual. Desde os primórdios do Cristianismo, escritores pagãos como
Celso e Amiano Marcelino publicam material atacando as Escrituras e o
Cristianismo. A ignorância dos articulistas, o preconceito
anticristão, a busca do sensacionalismo, tudo isso contribui para que
a publicação do manuscrito copta receba uma atenção muito maior do que
a devida.

Não quero ser mal compreendido. Como pesquisador e estudioso do Novo
Testamento, estou sempre aberto para descobertas arqueológicas e novas
pesquisas que nos tragam subsídios para melhor entender o mundo do
Novo Testamento e a sua mensagem. Creio que a publicação do evangelho
de Judas contribui para nossa compreensão do Gnosticismo e da seita
dos Cainitas, autora do documento.

Contudo, estou acostumado a assistir, anos a fio, a exploração
sensacionalista dessas descobertas. Lembro-me bem da descoberta dos
Manuscritos do Mar Morto e das polêmicas e questões inclusive legais
que envolveram a tradução e a publicação dos primeiros rolos. A
imprensa da época especulava que os Manuscritos representariam o fim
do Cristianismo, pois traria informações que contradiriam
completamente o Evangelho. Os anos se passaram e verificou-se a
precipitação da imprensa. Os rolos na verdade tiveram o efeito
contrário, confirmando a integridade e autenticidade do texto
massorético do Antigo Testamento.

Com o objetivo de esclarecer e trazer alguma sobriedade na avaliação
da publicação, faço as seguintes observações sobre a publicação do
texto do manuscrito.

1. Não se trata da descoberta do Evangelho de Judas. O mesmo já é um
velho conhecido da Igreja cristã. Elaborado em meados do século II,
provavelmente na língua grega, era conhecido de Irineu, um dos pais
apostólicos. Na sua obra Contra as Heresias, Irineu o menciona
explicitamente, como sendo uma obra espúria produzida pelos gnósticos
da seita dos Cainitas. No século V o bispo Epifânio critica o
Evangelho de Judas por tornar o traidor em um feitor de boas obras.

2. Não se trata também da descoberta de um manuscrito antes
desconhecido contendo essa obra. Acredita-se que o único manuscrito
conhecido, escrito em copta, foi descoberto em meados da década de
1950 e depois de uma longa peregrinação nas mãos de colecionadores,
bibliotecas, comerciantes de antiguidades e peritos, chegou às mãos
das autoridades. Sua existência foi anunciada ao mundo em 2004.
Trata-se de um códice com 25 páginas de papiro, envoltas em couro, das
62 páginas do códice original. Somente essas 25 páginas foram
resgatadas pelos especialistas. A tradução que vem a lume agora é
dessas páginas.

3. O que é de fato novo é a tradução do texto desse apócrifo, texto
até então desconhecido. Contudo, o ponto central que a mídia tem
destacado com sensacionalismo, já era conhecido mediante as citações
de Irineu e Epifânio, ou seja, que esse evangelho procura reabilitar
Judas da pecha de traidor, transformando-o em vítima e herói. Na
década de 80 saiu o romance "Eu, Judas", de Taylor Caldwell, publicado
pela Círculo do Livro, onde essa versão revisada de Judas foi
difundida.

4. Várias matérias publicadas na mídia dizem que Judas Iscariotes é o
autor desse evangelho. Contudo, não existe prova alguma disso. Segundo
o relato dos quatro Evangelhos canônicos, Judas suicidou-se após a
traição. Como poderia ser o autor dessa obra? Irineu, no século II,
atribuía a autoria do evangelho de Judas aos Cainitas, uma seita
gnóstica. No códice descoberto e agora publicado, não consta somente o
evangelho atribuído a Judas, mas duas obras a mais: a "Carta a Filipe"
atribuída ao apóstolo Pedro e "Revelação de Jacó", relacionado com o
patriarca hebreu. A presença do evangelho de Judas em meio a essas
duas obras apócrifas é mais uma prova da autoria espúria desse
evangelho. Chega a ser irritante o preconceito da mídia, que sempre
veicula matérias que negam a autoria tradicional dos Evangelhos
canônicos, mas que rapidamente atribui a Judas Iscariotes a autoria
desse apócrifo.

5. Evangelhos apócrifos e pseudepígrafos eram comuns nos primeiros
séculos da era cristã. O Evangelho de Judas é mais um deles. Outros,
mais conhecidos, são o Evangelho aos Hebreus, o Evangelho de Tiago, o
Evangelho de Maria Madalena, o Evangelho de Filipe, o Evangelho de
Tomé, entre outros. O texto desses apócrifos já é conhecido de longa
data. Judas, contudo, somente agora vem à lume.

6. O manuscrito que agora foi traduzido não data do século II, mas do
século IV. Especula-se que é uma tradução para o copta de uma obra
mais antiga escrita em grego, que por sua vez dataria de meados do
século II. Daí a inferir a autoria de Judas Iscariotes, que morreu na
primeira parte do século I, vai uma grande distância. A seita dos
Cainitas, segundo Irineu em Contra as Heresias, era especialista em
reabilitar personagens bíblicas malignas, como Caim, os sodomita e
Judas. A produção de um evangelho reabilitando o traidor se encaixa
perfeitamente no perfil da seita.

Ao final, pesando todos os fatos e filtrando o sensacionalismo e o
preconceito anticristão, a publicação do evangelho de Judas em nada
contribuirá para nosso conhecimento do Judas Iscariotes histórico,
apenas para nosso maior conhecimento das crenças gnósticas do século
II. Não representa qualquer questionamento sério do relato dos
Evangelhos canônicos, cuja autoria e autenticidade são muito mais bem
atestadas, datam do século I e receberam reconhecimento e aceitação
universal pelos cristãos dos primeiros séculos.

O texto do evangelho de Judas se encontra disponível no site da
National Geographic Society, no link:
http://www9.nationalgeographic.com/lostgospel/_pdf/GospelofJudas.pdf



Augustus Nicodemus Lopes é paraibano e pastor presbiteriano. É
bacharel em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte (Recife),
mestre em Novo Testamento pela Universidade Reformada de Potchefstroom
(África do Sul) e doutor em Interpretação Bíblica pelo Westminster
Theological Seminary (EUA), com estudos no Seminário Reformado de
Kampen (Holanda). Foi professor e diretor do Seminário Presbiteriano
do Norte (1985-1991), professor de exegese do Seminário JMC em São
Paulo, professor de Novo Testamento do Centro Presbiteriano de
Pós-Graduação Andrew Jumper (1995-2001), pastor da Primeira Igreja
Presbiteriana do Recife (1989-1991) e pastor da Igreja Evangélica
Suiça de São Paulo (1995-2001). Atualmente é chanceler da Universidade
Presbiteriana Mackenzie e pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana de
Santo Amaro. É autor de vários livros, entre eles O Que Você Precisa
Saber Sobre Batalha Espiritual (CEP), O Culto Espíritual (CEP), A
Bíblia e Sua Familia (CEP) e A Bíblia e Seus Intérpretes (CEP). É
casado com Minka Schalkwijk e tem quatro filhos – Hendrika, Samuel,
David e Anna.

viernes, abril 07, 2006

Ir...


"Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas."

Mateus 10:16


Hoje, 07 de abril de 2006, estou despedindo-me do meu trabalho. Desde meus quinze anos de idade, nunca fiquei sem emprego, também nunca pensei em ter de sair de um, para estudar e cumprir aquilo que fui feito para ser...

No começo relutei um pouco, afinal, sair de um emprego onde sou respeitado e compreendido não é fácil, talvez esse meu modo de ser complicou mais, acabo me apegando muito as pessoas, misturo o profissional com o pessoal e no momento de ir embora sinto-me como um "desertor".

Desta vez utilizei de coragem para pedir demissão, para percorrer o caminho que Deus preparou para mim, mesmo que agora eu não consiga ver o fim, nem metade desse caminho, na verdade estou vendo apenas o seu início, onde consiste muita renuncia e coragem...

Não é fácil sair de um salário fixo por mês, onde o ambiente de trabalho é bom, e as pessoas a minha volta possuem carater e simpatia, não é fácil mesmo...

Também não é fácil ter que mudar de cidade, ir morar sozinho, nunca acreditei que um dia eu fosse fazer isso...que iria pedir a conta, mudar de cidade e cair no percentual de desempregados...

Apesar que nunca pensei (depois de ter "amadurecido"), que eu seria gerente de alguma empresa, ou dono de um negócio próprio, sempre pensei em como seria bom viver integralmente ao Senhor, em Sua obra. Hoje sinto a resposabilidade e o medo de trilhar um caminho que o futuro e os planos são conhecidos somente por Deus...

Querendo ou não ainda sinto-me confortável em saber que estou nas mãos d'Ele, que sua graça, mesmo de graça, vale mais do que qualquer outra coisa para mim...Sinto-me agradecido...

jueves, abril 06, 2006

Semana que vem

Encontrei esse poema no fotolog de uma amiga (Neide), e o mesmo falou muito comigo.



SEMANA QUE VEM - Isaías Di Roma
Semana que vem
vou fazer caminhada,
assistir um Fellini,
comer só salada.

Semana que vem
começo um regime,
vou ler um bom livro,
mudar de time.

E as coisas vão ser diferentes,
vou viver da jeito que
eu sempre quis.
Corrigir meus defeitos,
vou fazer direito,
tentar ser feliz.
Na semana que vem,
não posso esquecer,
que semana que vem
começo viver.

Semana que vem
vou andar no trilho,
fazer um check-up,
brincar com meu filho.

Semana que vem
começo no inglês,
vou ver os meus pais,
aprender xadrez.
Na semana que vem,
não posso esquecer,
que semana que vem
começo viver.

Semana que vem
vou sair pra jantar.
Vou levar meu amor,
namorar, conversar.

Semana que vem
vou desligar a tevê
pra olhar as estrelas
e pensar em você.

Na semana que vem,
não posso esquecer,
que semana que vem
começo viver.

Isaías Di Roma

miércoles, abril 05, 2006

Caminhada

Ultimamente não tenho postado nada aqui, tambem nem sei se alguém vem acompanhando algo aqui, então decidi voltar a postar, e abaixo está uma poesia que descreveu muito bem o que estou passando por esses dias...




Por José Barbosa Junior [www.creepensar.com.br]

Caminhada

Foi assim...
Quando menos se esperava, a prova.
E tudo ficou meio cinza, nublado...
A vida vem em ondas como o mar,
já dizia Vinícius...De repente, o inesperado...
Sai da tua terra... da tua parentela...
Lugares desconhecidos, mistérios...
Só a certeza de caminhar
sem saber pra onde, nem como...
Só uma certeza: com quem se vai!

É assim...
Quando a gente menos espera, o chamado.
E a vontade dEle clareia... é manhã...
O choro durou a noite toda... tristeza...
Mas olhando lá na frente... certeza
Qual certeza? Nenhuma... só a incerteza,
ela por si só... a dar medo!
Como ir assim, nessa incerteza
E na fé do incerto... mas na fé??!!
Crendo contra a esperança...
Certeza, só da incerteza do caminho
mas da companhia certa
E isso faz toda a diferença...

Será assim...
Quando menos se esperar, o caminho.
E se abrirá, estreito, paciente
Esperando nossos passos... caminhada
E a certeza, qual será? Nenhuma ainda...
Só aguardará a fé que é da jornada
De se andar rumo ao tudo, mas sem nada
Nada que nos faça dar a volta
Retornar ao ponto de partida... não!
O caminho é para a frente... sem ter vista
Sem pesar o peso certo do cansaço
É certeza de encontrar no Seu abraço
O consolo que é preciso no caminho
A certeza da Sua mão sempre estendida
Como certo é Seu amor não escondido
Como é vero o Seu perdão não merecido
Como é viva a Sua vida em nossa vida.

Agora é caminhar...

viernes, octubre 07, 2005

Um dia Sem Deus

É bom ter amigos poetas




Autoria: Adriano araujo


UM DIA SEM DEUS

Eu estou triste
Como nunca estive antes
Tento acreditar que a felicidade ainda existe
Mas ela está cada vez mais distante

Eu estou sozinho
No silêncio de um lugar escuro
Onde não consigo encontrar o caminho
Que me leve até o amor que procuro

Eu estou perdido
Como um herói que chora
Longe de casa e ferido
Sem direção para ir embora

Eu estou cansado
Carregando um peso que não me pertence
Com o coração completamente arrasado
Sem ânimo para dramas ou suspenses


Ao bom Deus
ao qual me reflete inspiração.

domingo, setiembre 04, 2005

De um grande amigo...

Autoria: Hyuri

Antes de tudo, to agonizando de saudades, depois o que escrevi; algo q parece ser um verso de cancioneiro folclorico. Leia-o em ritmo de baião:



"Candeia acendeu quando não me vi mais
O tempo parou quando fui incapaz
A ajuda me veio, já não era, cedo
Candeia acendeu, não me vejo mais"

Obs: analogia ao Batismo no Espirito Santo.

Ainda Aqui

Para um irmão que está na Europa...


Ainda aqui

Ainda longe envolto pela distância
deitado nos braços dos sonhos
E "dominado" pela Europa em seu coração...

Ainda perto nas lembranças infantis
no pedalar de uma bicicleta
nos relacionamentos não concretos...

Ainda longe de um abraço
longe do contato e do ver
longe das brigas do conviver...

Ainda perto em herança
unidos em fé e confiança
o tempo ainda não venceu a esperança...

Ainda longe com o coraçao distante
nenhum invento é relevante
e nem substitui o contato...

Pois, o que desejo é lhe abraçar
revelar segredos, rir, chorar
Ainda perto este este desejo
Ainda longe esse realizar...


Leandro, no Pai

Asfalto quente

Essa é uma auto-biografia, mas ela tem algo em especial; cita passado fututo e presente...



Asfato Quente

É Assim é todo dia
não tem hora nem tem rima
não tem choro nem tristeza
quando a bola vai ao chão

Mas as lágrimas então
misturam-se ao suor
em casa a realidade marca falta
e de carrinho entra por trás

Por trás da infância
Por trás do amor
Por trás dos sonhos

Por trás de tudo aquilo que uma criança
deveria ter e não tem

Mas o que é asfalto quente
para os pés de uma menino
que chora e ri todos os dias
e que não sabe sonhar tranquilo?

Pode ser que tudo isso
Tente destruir a vida sã
eu só sei que esse menino
entregou-se a Salvação

Muitos te amaram
Outros te odiaram
Mas hoje ele sente o abraço
do que um dia foi maldição

Ele então sem os seus prantos
oferece um lenço em mãos
pas os que ainda choram
sem conhecer a Salvação...

Leandro, no Pai

miércoles, julio 27, 2005

Desejo - Victor Hugo

Ótimo, a alguns anos estava na propaganda da Rede Globo, era a única coisa que prestava nessa emissora nojenta.

Leiam tudo, muito bom.


Desejo - Poema de Victor Hugo

Desejo primeiro que você ame, E que amando, também seja amado. E que se
não for, seja breve em esquecer.

E que esquecendo, não guarde mágoa.

Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos, Que mesmo maus e inconseqüentes, Sejam
corajosos e fiéis, E que pelo menos num deles Você possa confiar sem
duvidar.

E porque a vida é assim, Desejo ainda que você tenha inimigos. Nem
muitos, nem poucos, Mas na medida exata para que, algumas vezes, Você se
interpele a respeito De suas próprias certezas. E que entre eles, haja
pelo menos um que seja justo, Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil, Mas não insuscetível. E que nos maus
momentos, Quando não restar mais nada, Essa utilidade seja suficiente para
manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante, Não com os que erram pouco, porque
isso é fácil, Mas com os que erram muito e irremediavelmente, E que fazendo
bom uso dessa tolerância, Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem, Não amadureça depressa demais, E que sendo
maduro, não insista em rejuvenescer, E que sendo velho, não se dedique ao
desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e É preciso deixar
que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste, Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra Que o riso diário é bom, O riso habitual é
insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra , Com o máximo de urgência, Acima e a respeito de
tudo, que existem oprimidos, Injustiçados e infelizes, e que estão à sua
volta.

Desejo ainda que você afague um gato, Alimente um cuco e ouça o
joão-de-barro Erguer triunfante o seu canto matinal Porque, assim, você se
sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente, Por mais minúscula que seja, E
acompanhe o seu crescimento, Para que você saiba de quantas Muitas vidas é
feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro, Porque é preciso ser prático.
E
que pelo menos uma vez por ano Coloque um pouco dele Na sua frente e diga
\"Isso é meu\", Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra, Por ele e por você, Mas que
se morrer, você possa chorar Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem, Tenha uma boa mulher, E que sendo
mulher, Tenha um bom homem E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes, e quando estiverem exaustos e sorridentes, Ainda haja amor para recomeçar.

E se tudo isso acontecer, Não tenho mais nada a lhe desejar ".